viernes, 1 de abril de 2016

¿Quién controla el mundo? Las 10 empresas que participan en más de 40.000

Sede del Deutsche Bank en Frankfurt


Por Narciso Pizarro
DIAGONAL
 
146 accionistas controlan el 40% del valor total de las empresas

737 accionistas, el 0,123% del total, controlan el 80% del valor de las más de 43.000 compañías multinacionales.


En 2011, S. Vitali, J.B. Glattfelder, and S. Battiston, publicaron un artículo de gran importancia, no sólo muy citado, sino muy leído: The network of global corporate control (PLOS ONE, 26 de octubre de 2011) donde expusieron los resultados de una investigación gigantesca, realizada en la Escuela Politécnica de Zúrich, sobre la relación entre los propietarios de las mayores empresas del mundo.
 
Esta investigación examina las relaciones de propiedad existentes entre las 43.060 mayores empresas multinacionales del mundo, con datos procedentes de la base de datos Orbis en 2007. Esas relaciones se analizan como cadenas de participaciones en el capital de una empresa en otra. Los autores encuentran 1.006.987 cadenas de relaciones de propiedad entre 600.508 nodos, actores económicos que incluyen a las más de 40.000 multinacionales y a otros agentes no incluidos en esta lista inicial de empresas.
 
Los resultados del análisis de esta red son muy interesantes: 737 accionistas, el 0,123% del total, controlan el 80% del valor de las más de 43.000 compañías multinacionales. Y, además, 146 de estos accionistas, el 0,024%, controlan el 40% del valor total de estas empresas. Es decir, existe una alta concentración del control. Y, lo que es quizás todavía más importante, esos accionistas están extremadamente conectados entre ellos. En el artículo se expone además la lista de los 50 mayores accionistas que se encontraron con los datos que, no olvidemos, son de 2007.
 
Con una metodología diferente y con datos de 2012, procedentes de la base de datos OSIRIS, la Dra. Reyes Herrero, de la Universidad Complutense de Madrid, estudiando las redes formadas por los accionistas comunes entre las 150 mayores empresas del mundo, encontró unos resultados muy semejantes. Los accionistas más importantes en este estudio coinciden casi totalmente con los de Vitali, Glattfederer y Batiston. Incluimos aquí la lista de los 10 inversores más importantes, con el número de empresas participadas por cada uno de ellos, que constituye una manera de ver directa e intuitiva de la importancia de los mayores inversores.
 
 
 
Lo más significativo además es que en muchas de las participadas están presentes simultáneamente varios de esos inversores. Y que, por otra parte, son accionistas unos de otros.
 
Como toque de atención para españoles: muchos de estos accionistas están en las empresas del IBEX 35. El caso de Blackrock ha alcanzado una triste notoriedad, sobre todo en Madrid, como comprador de viviendas públicas a bajo precio.
 
Poco importa que hablemos de la investigación de la Escuela Politécnica de Zúrich o de la realizada sin medios económicos en Madrid en lo que a lo esencial se refiere: unos pocos grandes inversores interconectados controlan la economía mundial. ¿Hay que molestarse en subrayar que controlan también los gobiernos y los Estados?
 
Los escándalos de corrupción de los que tanto se habla exponen los vínculos entre políticos y empresas. En los relatos nos centramos en los políticos y denunciamos su comportamiento. Pero no tenemos bastante en cuenta a las empresas corruptoras: si el político se vende es porque alguien compra. Y lo que las empresas compran es la voluntad política. Imponen las decisiones que benefician sus intereses financiando a los partidos y a sus miembros. Las gigantescas cantidades de dinero de las que disponen son una herramienta de control. De control del mundo.


Artículo publicado en El Salmón Contracorriente.

------------

13 comentarios:

  1. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 3:46

    Muito interessante artigo, que atesta que a crise alimentícia e escassez na URSS de Gorbachov foi criada artificialmente para destruir a URSS!!!

    Retirado de: http://www.fort-russ.com/2016/03/gorbachev-created-artificial-shortage.html

    Golpe em marcha contra Merdogan? EUA prenderam importante homem de negócios, por corrupção, ligado ao AKP de Merdogan. Prepara-se uma operação para descredibilizando previamente o líder turco, justificar um golpe?

    Retirado de: http://www.voltairenet.org/article191052.html

    Comité da ONU para os refugiados lança investigação para averiguar denúncias que soldados turcos tenham disparado contra refugiados em campos na Turquia:

    Retirado de: http://sputniknews.com/europe/20160401/1037318628/un-refugee-killing.html

    Obama tenta vergonhosamente reescrever a guerra do Vietnam, apagando o genocídio, lançando as comemorações da guerra do Vietnam!!!

    Retirado de: http://sputniknews.com/us/20160330/1037172102/us-vietnam-genocide-whitewash-massacre.html

    Apesar de ser contra Dilma, este golpe visa tornar o país ainda mais vassalo dos EUA! Por isso saliento isto, milhares de brasileiros manifestaram-se contra o golpe, em cidades por todo o mundo, as imagens:

    Retirado de: http://www.marchaverde.com.br/2016/03/manifestacoes-no-exterior-de.html

    Yemen lanza misil balístico contra una base de mercenarios saudíes

    Retirado de: http://www.marchaverde.com.br/2016/03/yemen-lanza-misil-balistico-contra-una.html

    Duas crianças morrem em Cizre ao manejar uma bomba, é a tragedia total!!!

    Retirado de: http://mundo.sputniknews.com/orientemedio/20160401/1058269832/explosion-turquia.html

    Depois da Ucrânia, agora á a Polónia, que irá desmantelar mais de 500 monumentos soviéticos, tentativa de apagar a história!!!

    Retirado de: http://mundo.sputniknews.com/europa/20160331/1058227500/polonia-nomumento-sovietico.html

    ResponderEliminar
  2. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:34

    Camaradas, expus um post sobre a questão da emigração massiva na Europa e o problema dos refugiados no site "corredorvermelho.wordpress.com".
    O site começou por debater mas depois caiu na acusação falsa e gratuita de chauvinismo.
    Censurou um post meu em resposta, impedindo-me de expor a minha opinião, acusa-me falsamente de chauvinismo e não me permite defender.
    Para clarificar a minha posição, repostarei aqui a minha visão sobre a questão dos refugiados, que penso esclarece o que penso, e clarifica que de modo algum me move algo contra estrangeiros.
    Deixarei ao critério de cada um julgar por si o que pensa.

    Primeiro postarei o post de resposta do corredorvermelho ao meu post, para que possam ler o que ele diz e o que eu disse. Colocarei o link do debate, ainda que não me surpreenda que entretanto apague todos os comentários, dada a atitude que teve.

    Post de CorredorVermelho:

    AnonimoTrotskista,

    AnonimoTrotskista,

    Creio que não percebeste o nosso comentário. O Islão é em si obscurantista. A religião é obscurantista. A questão é: para que queres tu impedir que muçulmanos entre na Europa? Que ganha a Revolução com isso? É isso que tens de explicar.

    Pior. Dizes que estás com medo da “combinação explosiva”. Repara, nós não temos medo de nenhuma “combinação explosiva”, pelo contrário, nós queremos essa combinação porque interessa. Tomas as dores do imperialismo e isso é profundamente contra-revolucionário. É uma contradição insanável: queres combater a misoginia, o patriarcado e o obscurantismo, expulsando os misóginos da tua área de actuação. Então queres combater o quê? Fazes lembrar aquelas crianças que em vez de limparem o quarto, empurram a tralha para debaixo da cama. Ou aqueles e aquelas “feministas” que querem pôr o estado burguês a passar multas de cada vez que um trolha lança um piropo. Não queres a barbárie no teu quintal, mas no dos outros já pode ser.

    Não há nada de estranho neste fluxo. São refugiados que fogem de um país destruído e em guerra, e querem viver melhor. E viajam com uma estranha intuição: que na Alemanha se vive melhor que no Iraque. O que é que há de estranho nisto? Muitos que se enfrentaram contra o exército sírio e abraçaram as promessas do imperialismo. Porque os queres impedir de entrar aqui se vêm precisamente cobrar o que lhes foi prometido? E mesmo, em desespero argumentativo, se os salafistas vierem para aqui causar o pânico, qual é o teu problema?! Quem paga politicamente esse custo? São os comunistas? É a revolução?

    Esse discurso é chauvinismo primeiro-mundista e não engana ninguém. Enquanto o terror acontecer no quintal do vizinho está tudo bem. Mas quando no primeiro-mundo se sente um cheirinho do que é o cotidiano dos sírios, dos iraquianos e dos libaneses, então aí é que não pode ser. Garantir a segurança do primeiro-mundo não é função dos comunistas. A função dos comunistas é fazer a revolução. Arranjar emprego para os refugiados é um problema deles, garantir a segurança do primeiro mundo é um problema deles. Não é teu. Ou tens medo? E se tens medo de refugiados, como terás coragem para fazer a Revolução?


    Continua

    ResponderEliminar
  3. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:35

    Continua o post de CorredorVermelho:

    Nem que fossem homens enviados por Erdogan numa gigantesca conspiração (!!?!!?!), nem que os refugiados fossem um terço da população, como acontece no Líbano, isso não seria um problema nosso. O nosso problema é agravar as contradições, corroer o poder burguês e tomar o poder. Esse é o nosso problema. E que raio de comparação com a Palestina é essa?! Será que não sabes a diferença entre periferia e metrópole? Não sabes o que é o imperialismo? Não sabes o que é opressão de uma nação por outra?

    E que argumento é esse de que a entrada de refugiados vai excitar os fascistas. Claro que vai, isso é inevitável. Assim que começares a fazer trabalho revolucionário também vais virar massas intermédias com potencial fascista contra ti. Qual é a conclusão? Não fazer trabalho revolucionário? “O fascismo em potência chateia-se se os refugiados entram. Conclusão? Que não entrem”. E nós até ajudamos os fascistas a impedir que eles entrem, para os sossegar, porque temos medo deles (!!!!!). Isto é um nojo.

    Portanto, qual é o argumento “marxista” que se opõe à entrada de refugiados no primeiro-mundo? No fim de linha não é nenhum. É um arrazoado mal amanhado, justificações descabeladas para aconchegar a aristocracia laboral primeiro-mundista. Muitas dessas fracções de classe estão privadas daquela que era a sua subjectividade durante as guerras mundiais: o fascismo. Estão a reconstruir essa subjectividade outra vez.



    https://corredorvermelho.wordpress.com/2016/03/29/40-anos-depois-do-golpe-do-general-videla-nao-perdoar-nem-dar-a-outra-face/#comment-206

    ResponderEliminar
  4. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:37

    A minha resposta, retiro-a do Word aonde a gravei, porque o meu post foi censurado, deixo ao critério de cada um ler e pensar por si:

    Enfim, já esperava o típico do "chauvinismo europeu".

    Afirmas que tenho chauvinismo mal disfarçado, mas isso é um insulto, assim como se usou esse insulto aos primeiros comunistas que acusaram Israel de genocídio.
    A manipulação de conceitos como anti-semitismo foi e segue sendo a estratégia de intimidar, insultar, sem mais nada.
    Ponto nº 1: Eu quero manter o sistema burguês? Acaso alguma vez disse isso? Eu quero é que Merkel mais a sua corja se lixe. Agora os marxistas como os do site movimentopolitico estão a cair no ridículo de autênticos idiotas úteis a defender Merkel.
    No mínimo interessante. O sistema burguês europeu é dominado por Merkel. Esse sistema está a destruir A Europa. Até há uns meses, até esta crise de refugiados, tudo o que era site marxista concorria no insulto, ataque a Merkel. Merkel era a nazi do momento, o novo Hitler. Do nada, ela consegue por marxistas a apoiá-la porque supostamente apoia os refugiados.
    Acaso as pessoas podem ser tão ingénuas para crer-se nisto?Não foi Merkel quem subiu ao poder com um discurso racista de que os povos do sul eram parasitas, chulavam a Alemanha e ela vinha por a ordem? Este discurso fez subir o PEGIDA, que através dessa banalização, ganhou terreno. E eu é que sou chauvinista??? Merkel tem um plano para destruir a Europa, que passa por arrasar o que resta da Europa social. Mas eu não defendo o que resta da Europa social numa perspetiva de "aristocracia europeia". Para com ataques gratuitos sem fundamento, com uma fraseologia tirado de recantos delirantes. A minha posição assenta no seguinte.
    Transportemos para a questão de Donetsk, Maidan. Quando começou a contestação, ninguém sabia bem o que isso era. È claro que a CIA lá estava, mas havia gente que acreditaria ter uma vida melhor. Yanukovitch era uma merda, isso é óbvio. Que posição tomaram os comunistas? Acaso foram apoiar os maidanitos drogados, pagos a 10 000 por cada comunista morto? Não, afirmaram-se contra Maidan, não porque em si contestar um corrupto burguês fosse errado, mas porque essa contestação específica nada tinha que ver com luta legítima. Percebeu-se que era uma agressão nazi, programada, pensada, do qual só resultaria passarmos do sistema burguês ao nazi. A menos que aches que foi uma evolução nas “contradições do sistema burguês” Maidan? Por essa lógica, a passagem de Weimar para o III Reich foi óptima porque exacerbou as contradições, tendo pelo caminho quase morto a URSS, não fosse o heroísmo do PCUS. ISTO É RIDÍCULO!
    Denota uma questão. Eu coloco isto num plano de taticismo.


    Continua

    ResponderEliminar
  5. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:38

    Continua

    Em que é que a entrada massiva de pessoas, que não terão trabalho, emprego, as beneficia ?Explica-me a tua lógica. Eu sou um sírio de Damasco, juntei o pouco que tenho e juntei 15 mil euros. Um traficante conta-me que haverá milhares de euros por mês na Alemanha, como refugiado. Conseguirei reaver a verba que gastei em alguns meses, nos próximos viverei bem. Chego á Alemanha e nada disto é real. Morro de fome, pelo caminho traí a minha pátria, deixando-a morrer. ISTO BENFICIA QUEM?O QUÊ? EM QUE É QUE isto contribuiu para o avanço da luta de classes??? Na verdade é bem a expressão da luta de classes, que promove a emigração quando lhe interessa. Toda a emigração é boa? Note-se os termos usados para definir os colonos judeus. Colonos, ocupantes, fascistas. Mas tecnicamente pela tua lógica, já que são pessoas que se deslocam de um país para o outro, são pobres em busca de vida melhor. Por 300 mil euros por cada família, mais casas de luxos, fixam-se em terras roubadas. Isto são emigrantes?Acaso isto exacerba a luta de classes? Só exacerba o absoluto inferno dos árabes, e lentamente toda a Palestina desaparece.
    Há meses constou-se que os serviços secretos brasileiros alertaram Dilma para a estranha compra de terras na Amazónia por parte de ONGs. E para o fato de terem projectos claros de através da máscara de “decretar área interdita” pretendiam confiscar essa terra ao governo brasileiro. Outro facto era a lenta emigração de americanos, com o foco de se fixarem aí e lançarem bases para reivindicações futuras. O que os portugueses fizeram no Brasil antes, o que se viu em Israel, Kosovo, abre portas para estes precedentes. Acaso aprovas isto? Aprovas que “pobres” sejam enviados para aí para roubarem terras que não são suas? E que achas que farão aos índios?
    Juro-te que não entendo a tua posição. Em Donetsk, Maidan, quando nós apoiamos Donetsk, veio um coro de “antifascistas”, na maioria de PODEMOS, mas também de marxistas que tinham esta ideia incrível. Se Mozgovoy criticava os casamentos gays era um fascista. Se Yanukovitch era o alvo, logo sair contra os Maidanitos era apoiar “o regime burguês”. A posição deles era igual á tua. Pela tua lógica os camaradas queimados em Odessa eram uns perigosos fascistas, quando saíram contra os maidanitos? Porque estavam de um lado de uma barricada, aonde pontuaram algumas vozes nazis, ninguém nega isso, mas é um caso distinto. A emigração que aqui debatemos, é a questão de Maidan em Kiev. A minha barricada é a de Odessa, Donetsk. Nessa altura nazis russos apoiaram Donetsk, mas não na lógica que nós o fizemos. Apoiaram porque eram chauvinistas, porque sonham com uma grande Rússia. Mas os que tomaram Donetsk em 7/4/2014 cantaram o hino soviético e queriam uma pátria para todos. Não estavam a querer manter o sistema burguês, como pela tua lógica se poderia induzir, perceberam sim que que a correlação de forças impunha estar contra Maidan! Se por acaso nazis estavam a favor de Donetsk, até criaram milícias, em que é que isso nega a revolta de Donetsk? Em que é que isso retira razão a Donetsk? Ninguém apoiou Yanukovitch, apoiaram a URSS, naquele momento estar contra Maidan, não era manter “as dores do imperialismo e isso é profundamente contra-revolucionário” como tu afirmas era apenas uma etapa na revolta de regresso á URSS! Em que é que beneficiava alguém passar de um cadáver burguês ucraniano para um pesadelo nazi? Em que é que nos beneficia passarmos de um cadáver burguês, para um pesadelo nazi, para uma guerra civil entre nazi-cristãos e nazi-islâmicos. A guerra étnica futura irá desviar, congelar, NÃO POTENCIAR A LUTA DE CLASSES!


    Continua

    Continua

    ResponderEliminar
  6. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:39

    Continua

    Em que é esses jovens formados, que me vez de apoiarem a Síria, fogem, vão ajudar quer na Síria, quer na Europa?
    A luta é mundial, da Europa, á Síria, Austrália, onde seja. O que se pretende ao destruir a Europa, é arrasar o último vestígio do marxismo, assente numa população politizada, e nos direitos sociais, que são uma conquista dos mártires da Comuna, dos internacionalistas de 1936, que se quer arrasar. Eu não quero recriar a Europa social dos anos 1960 (talvez seja essa confusão que paira em ti sobre as minhas ideias). Eu quero a Revolução Bolshevique de 1917, a URSS, na verdade até quero mais, pois a URSS não era perfeita. Eu quero todo o comunismo, algo que em nenhum país se atingiu ainda. Mas na situação atual, não consigo entender o que é que na atual correlação de forças nos beneficia uma guerra civil na Europa, que na verdade quer é criar um CAOS TOTAL!!!
    Denota que eu não tiro mérito á tua ideia de que a entrada deles possa criar um caos que nos , ajude.
    Vamos debater com elevação, sem insultos gratuitos, como estás a fazer a insultar-me de chauvinista, a dizer que não me importo com as bombas no Iraque, apenas me preocupo se chegarem aqui. Isso é insulto, com insinuações de racismo, que é intolerável.
    Eu apenas discordo da tua estratégia. Se bem entendi, e façamos aqui uma promessa de debater com elevação, sem insultos.
    Sugeres que a entrada deles, uma potencial guerra civil, gere uma tensão que destrua o sistema. Isso seria possível (não nego o mérito do que queres dizer), se por exemplo numa Suécia, uma população nativa envelhecida, jovens sem perspetivas, e população imigrante, muito jovem, sem perspectivas se degladia. Imagina uma guerra civil. Imaginemos um Lenin, surgir do nada, conseguir unir. É possível?Não nego, sim é possível, é possível que houvesse um grupo comunista que unisse os povos, eu não estou a negar, mas tentou-se isso inúmeras vezes e só resultou em 1917, no que era uma guerra mundial. É isso que pensas, uma situação tipo 1917?Não nego que isso possa acontecer, mas também aconteceu Maidan, Líbia de Gadafi. Estou a falar da correlação de forças, Luxembourg e outros, todos tentaram, nem sempre resultou. Curiosamente acabou por surgir vitórias, de forma distinta, como em Cuba 1959.


    Continua

    ResponderEliminar
  7. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:40

    Continua

    A minha ideia é que a saída desses jovens prejudica a Síria, que pode bem expulsar o ISIS, mas sofrer contestação interna, se o caos se manter, sem médicos, quadros, o país colapsa. A minha posição contra a entrada de falsos refugiados(já afirmei inúmeras vezes que os que são de fato refugiados podem entrar, oponho-me sim aos desertores) na Europa é que muitos são membros do ISIS, e suspeito que sejam um exército da NATO. Sites como o resistir-info, globalresearch, Voltaire apontaram dúvidas sobre a narrativa que está a ser montada sobre os refugiados. São chauvinistas? Assange é chauvinista quando mostrou fugas de informação que apontam a instrumentalização destes refugiados, para levar a Síria ao colapso? Desde o Voltaire.net, ao resistir.info, ao globalresearch, todos apontaram aspectos errados e suspeitas sobre algo que não está a ser dito, somos todos paranoicos, chauvinistas? Todos com matizes diferentes, mas todos no mesmo sentido. Que há algo que não encaixa. A guerra começou em 2011 e tem um ponto central com o ISIS em 2014. Mas é quando o ISIS está a perder, a Síria ganhará inevitavelmente e já anunciou plano de recuperação, para criar casas e empregos, que este surto surge. Os comunistas do PKK, das YPG, sírios pró-Assad já entraram em 2011, 2014, e nunca me opus a isso. Tão pouco me oponho a emigrantes ilegais, que por exemplo sejam neste quadro: tenho uma amiga eslovaca, que entrou ilegal. Tecnicamente não podia entrar, não tinha visto. Mas tinha certo emprego em mira, uns amigos haviam-lhe prometido um bom emprego. Comprou uma passagem e entrou com falso visto. Mais tarde chegou o namorado, arranjaram emprego para ele, casaram e têm filhos. Somos amigos há mais de 10 anos. Não sou chauvinista, não admito esse género de insinuações. Nada contra essa emigração ilegal, agora imagina outra situação. Imagina que eu tinha o sonho de uma vida melhor, juntava o pouco que tinha, uns 10 mil euros. Contatava-te e dizia “ como posso entrar em Portugal?Ajudas-me?” Tu sabendo que não haveria emprego, que essa pessoa gastaria o pouco que tinha, para acabar na miséria, dirias “podes vir se quiseres ajudo-te a entrar”. Tudo muito bonito. E depois, para viver? Em 5meses, acabava-me a suicidar, com dívidas enormes! Acaso ajudavas-me a dizer aquilo que gosto de ouvir? Ou invés podias dizer “quiçá tenho uns amigos na Itália, Espanha, Qatar, EUA, se conseguir arranjar algo, aqui em Portugal ou no estrangeiro, arranjo-te, entretanto se não tiveres certeza de emprego, podes acabar mal.”Que farias? A questão é essa, onde é que isto é racismo? Se chegamos a este ponto, então não estamos a ter seriedade e a extrema-direita irá crescer.
    A tua estratégia visa jogar tudo no caos, mas crê-me que creio que o caos em si na Europa vai chegar por si, jovens com 30 anos sem vida, casamento, emprego, filhos, É UMA BOMBA COMO EM 1917!!


    Continua

    ResponderEliminar
  8. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:41

    Continua

    Apenas discordo de ti, E ISTO QUE FIQUE CLARO, é uma questão de estratégia, não consigo entender aonde é que aos animais da extrema-direita pagos pela CIA, que temos com o PEGIDA, PRAVY-SEKTOR, FLAMS VELAM e outros, se juntarmos um autêntico exército de extrema-direita islâmica, aonde é que isso nos vai ajudar? Vamos sim é ser derrotados, como a Luxembourg, não dizia Lenin que a vitória seria nossa “quando tivermos metade do exército e mais um soldado”? Aonde é que a entrada de milhares de fascistas islâmicos nos vai ajudar??
    Não vejo que vá ajudar, a não ser á CIA, que contará com mais um exército, depois do PEGIDA, FLAMS VELAM, EXÉRCITO DE ODIN E QUEJANDOS.
    Entrada massiva de terroristas do ISIS vai-nos ajudar como? A morrermos como em Odessa, 300 comunistas manifestantes para 5000 nazis??? Se calhar é para isso que a CIA quer pô-los aqui, vamos ter 10 mil nazis islâmicos, mais 10 mil ucros-nazis, PEGIDAS, para uns 500 comunistas, isto vai-nos ajudar como?A morrermos como em Odessa???
    Se é essa a tua opinião eu respeito, apenas discordo da tua estratégia. Lenin ganhou porque tinha a maioria do exército e porque uma correlação de forças jogou a seu favor. As consequentes derrotas mostraram que a história não se processa assim, automaticamente, assim como não garanto que necessariamente a entrada massiva de terroristas ISIS(não em si os refugiados que são algo distinto) se converta numa guerra civil. Nada é automático na história, milhões de pobres e agitação social enorme, na Rússia de 1917 significou poder aos comunistas, na Alemanha foi o horror nazi. A burguesia teve uma enorme surpresa em 1917, nós tivemos um choque em 1933, ao ver que em vez de um apoio massivo aos comunistas e uma segunda tentativa de golpe, tivemos um verdadeiro horror.
    A minha estratégia é apenas diferente da tua, assim como a nossa foi igual em Donetsk, mas distinguiu-se de uma parte de opinião comunista, que preferiu ficar do lado de Maidan ou cair no “somos contra todos os imperialismos, nem pelos russos, nem pelos EUA”, que degenerou em sermos taxados de fascistas(irónico a situação ser similar), porque apoiamos Donetsk, ao mesmo tempo, por razões bem diferentes das nossas, apoiou também o boi do Limonov, a merda da Le Pen, que elogiaram Putin ou os combatentes de Donetsk. Mas isso não nega a nossa razão. Acabamos por ver verdadeiros comunistas queimados em Odessa, ao passo que a esquerda “antifascista” bem pensante, além do silêncio cúmplice já ignóbil, chegou ao desplante de taxar de fascistas os comunistas de Odessa, Donetsk, invertendo tudo. Fomos insultados, porque pasme-se estávamos do lado do Limonov. Mas eu odeio o Limonov, ele apoiou Donetsk porque queria uma Grande Rússia, eu apoiei Donetsk porque quero a URSS! Primeiro passo, Donetsk cantando ao hino da URSS, segundo passo independência, terceiro, converter Donetsk num bastião comunista(já o é demograficamente, refirmo-me a ser tipo uma Cuba, mas nuclearizada, com um grande exército, que destabilize a Rússia, Ucrânia, que forme guerrilhas, sei que é perigoso, mas temos de arriscar, certo?). Último passo: Moscovo, um golpe militar em Moscovo, e de novo a URSS!!!


    Continua

    ResponderEliminar
  9. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:43

    Continua

    Aquela merda podemista, syrizette, do “somos contra Putin e contra Obama”, abandonou Donetsk, e apoiou os ucro-nazis!
    A minha visão aqui, é na mesma lógica, não vejo benefício em transportar milhões de pessoas para a total pobreza ou algo mais sinistro (o caso de crianças desaparecidas, é revelador), trair a Síria, enfraquecê-la. Daqui a meses a guerra acaba e Assad chamará por eles. Devem reconstruir a Síria. Por outro lado, não temo a morte ás mãos do ISIS, como não temo as mãos do PEGIDA, se tiver que morrer, morrerei pelo que acredito. Temo sim é a morte de qualquer esperança de ver o comunismo a ressurgir, com uma correlação de forças que nos destrua, apenas discordo da tua avaliação da situação . O que me assusta é viver sem esperança, é ver Lenin derrubado todos os dias na Ucrânia e a nossa força a recuar.
    Apenas difiro da vossa visão, não me oponho nem a imigração, nem a refugiados. Todos os que se qualifiquem para refugiados, todos os que tenham trabalho podem entrar. O resto acho problemático e contraproducente, apenas discordo de vós.


    Agora camaradas, apelo a que julguem por vós!!

    ResponderEliminar
  10. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 4:56

    A resposta de CorredorVermelho, afirmando que censurou o meu post:

    Censurámos o comentário. A discussão nestes termos está terminada. Este é um espaço onde se defende o internacionalismo proletário e onde não serão admitidos mais comentários de tipo chauvinista.

    E a minha resposta:

    Onde é que o meu comentário foi chauvinista??

    Desafio-te a reposta-lo, se quiseres reentrego-te de volta, porque o gravei em word, e sente-te livre para o contestar á vontade e permite que os outros o contestem também.
    Se não o fizeres apenas considerarei que não tens capacidade de encaixe, porque expus a verdade.
    Sugerir que a entrada de terroristas do ISIS, no meio de refugiados, para matarem em duas semanas como na Bélgica vai ajudar ás contradições de classe é algo absurdo.
    Já agora que fossem para a URSS, ou a RDA, acaso iam ajudar muito??
    Desafio-te a dizer aonde é que disse que todos os que entram são terroristas??
    Eu disse sim é que está a haver uma infiltração dentro fluxo que sempre existiu, de imigrantes económicos, e refugiados.
    Crianças, pobres, e refugiados de fato podem entrar, desertores e terroristas com passaportes falsos não, acaso afirmar isto é racismo?Então, permites de certo a entrada em massa de colonos judeus para roubar terra aos palestinianos, assim como de nazis na URSS para atentados??
    Sempre expus com elevação, mesmo quando partiste para a usual tática do “chauvinismo”, acusação gratuita, em vez de expor.
    Se sentes que o caos pode ajudar ao comunismo, tudo bem, é a tua opinião, agora eu acho que só usando uma correlação de forças favorável podemos ganhar, apenas discordo, mas como deves achar que só a tua opinião conta, isso é problema teu. Eu nunca te insultei, sem expus com elevação, parece-me é que não tens capacidade para encaixar.
    As pessoas que leem o blog, mas nunca comentam viram a verdade e serão capazes de julgar.
    Não penses que me censuras, ou intimidas, porque a verdade é que que me move, não clichés de que pensa interpretar Lenin.
    Eu sou tão chauvinista como Lenin, que que me recorde não trouxe todos os pobres para a URSS, não a abriu toda, porque não os podia manter, mas sim criou condições para a luta.
    A verdade é que uma maioria de marxistas se opõe á vossa visão e acabarás por ver a verdade.
    O tempo dirá que tem razão.
    Se dentro de dois dias não vir o meu texto reposto, considero que te derrotei, e que temes a verdade, tal como o movimentopolitico, que apagou todos os comentários, sim alguns chauvinistas, mas nem todos eram.
    Se dentro de 2 dias não vir o meu texto reposto, cesso a minha colaboração com este blog, porque não alinho nisto, nem sempre concordei convosco, mas sempre respeitei todos, agora chamares de chauvinista quem apenas diz que sim ajudemos as pessoas de fato, não trazendo-as para as misérias e máfias, e algo de bradar aos céus.
    Sou chauvinista como o resistir.info, globaresearch, Voltaire, e outros que apontam estas inconsistências, apoiar imigrantes, sim, mas num modelo diferente, não este atual que está esgotado.


    A fonte é este link:

    https://corredorvermelho.wordpress.com/2016/03/29/40-anos-depois-do-golpe-do-general-videla-nao-perdoar-nem-dar-a-outra-face/#comment-206

    Não garanto que entretanto os comentários não tenham sido censurados.

    ResponderEliminar
  11. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 12:57

    Camaradas, desculpem, sei que vocês não têm culpa, apenas o site corredorvermelho, censurou a resposta que também postei aqui, e penso ser importante repostar, dado a grau de tensão que se abate na web marxista. Esta questão divide e precisamos de união, não desunião, de um debate claro(aceito que me critiquem, sem problema), mas penso ser chave uma atitude clara:

    Reposto outro comentário meu em corredorvermelho, que é o meu último, visto que cesso a minha participação nesse site:

    Já que continuas a censurar, é porque a verdade ou não te agrada, ou não tens argumentos.

    Podes censurar este, mas aqui vai.

    Acaso se interrogar sobre vermos um grupo de pessoas a entrar, sendo homens jovens, que desertam, com discursos reacionários, que já foram detetados inclusive como apoiantes do ISIS, quer por detetar a sua foto no Facebook do ISIS, quer por serviços secretos da Rússia, Síria e denunciados pelos próprios refugiados com que viajavam, isto é racismo? Onde chegou a deriva de alguns marxistas?
    Acaso se interrogar se um espaço físico do mundo pequeno como a Europa, pode acolher todos os imigrantes, refugiados, pobres, se não se deveria distribuir todos os pobres, refugiados, harmoniosamente por todo o país, é racismo? Desculpa, perdeste todo o sentido da realidade, podes usar palavras caras de Marx, mas não tens o mínimo sentido de senso comum.
    O senso comum diz-nos que um mundo pequeno como a Europa não pode acolher 4 biliões de pobres no mundo, de caminho serão 12 biliões pelo crescimento demográfico, acaso podemos acolher todos? Que tal irem a outros destinos (Brasil, China)?
    Fronteiras abertas a todos? Em que sentido? Fronteiras sem nenhum controlo, aonde passa tudo, acaso isto existe na URSS? Não esquecerei de dizer esta aos camaradas da Coreia, que se lembrem de em vez de prender o espião de há dias, deixar todo o mundo entrar.
    Todo o mundo pode entrar, os terroristas em fuga da Síria também?
    Mas alguém se opôs a que quem tenha trabalho ou de fato seja refugiado possa fugir?Não, oponho-me sim é a premiarmos desertores e ao total caos que se está a ver, em que até terroristas entram, crianças são capturadas e vendidas, e ninguém para.
    Segundo a tua lógica eles que arranjem emprego, é problema deles. Belíssima teoria marxista, e eu a pensar que o marxismo se preocupava com a dimensão humana, falas como a direita, não tens coragem de lhes dizer “não há hipótese aqui de teres vida, quiçá noutra lugar, ou espera um pouco mais”, mas segundo tu “eles que arranjem emprego”. Que se acabem a suicidar dentro de 5 meses, com dívidas. Mas que marxismo é este, é isto a defesa da classe trabalhadora? Não admira a putrefação do comunismo atual. Só revela que não te preocupas com as pessoas, eu, preocupo-me a tal ponto, que penso que temos de equacionar o atual sistema, que essas pessoas podiam ter sucesso na China, Braisl, Canadá, esta ideia de irem todos para a Europa é uma ilusão de marketing, um suicídio!! Mas tu, querendo-te travestir de internacionalista, de arauto da classe trabalhadora, afirmas “ que entrem e depois façam pela vida”. Pelo caminho, morram, que os seus filhos sejam roubados pela máfia, que te importa?
    O ISIS pode sair de controlo na Europa e ajudar a destruir o sistema? E não pode também matar os marxistas, que mal há em questionar isto?
    Que mal há em sugerir que o mais lógico é reconstruir a Síria, reorganizar os emigrantes para outros países em crescimento, não a Europa em declínio? Que mal há em questionar a narrativa atual, na lógica que fazem o resistir.info, globalresearch, Voltaire, de que o que vemos não são famílias pobres, mas homens novos, que desertam e ainda são pagos para tal? Que vemos máfias a matar pessoas, roubar crianças e questionar este modelo? Que mal há em questionar o perigo para a resistência síria esta premiação do desertor, oferecendo-lhe dinheiro para fugir? Que mal há em questionar porque optaram então por ficar, lutar, resistir, outros milhões de que ninguém fala?


    Continua

    ResponderEliminar
  12. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 12:58

    Continua

    Que mal há em questionar porque a mesma imprensa durante anos ocultou, ignorou o drama de refugiados e do nada apenas se preocupa com esta classe média que chega á Europa, que é apoiante do ISIS, outros desesperados, levados pelas máfias para a miséria, certa, ao mesmo tempo que ignora as deportações em massa de Obama de sul-americanos?
    Que mal há em questionar se isto não cancela a luta de classes, em vez de atiçar? Que a opção é unir a luta na síria, lutar como fazem as mulheres curdas, que até aboliram recentemente leis misóginas e defenderam a igualdade de género, em vez deste caos total na Europa, do qual ninguém ganha?
    Não encaixas isto no teu socialismo de palavras chiques, sem entender o mínimo senso comum?
    O meu senso comum diz-me que um refugiado é alguém que levaria a sua família consigo, que se instalaria no primeiro país e estaria grato.
    Foi o que se viu até Setembro de 2015. Nunca me opôs a isso e DESAFIO-TE A PROVAR O CONTRÁRIO!!! Todos os que são refugiados nesta lógica, ou migrantes económicos que tenham emprego garantido, em vez de serem escravizados por máfias, PODEM ENTRAR, E DESAFIO-TE A PROVAR O CONTRÁRIO!!
    O que estamos a ver é um fluxo artificial, que usando migrantes e refugiados, quer ocultar a salvação do ISIS e prepará-los para o trabalho da Operação Gladio na Europa! Assim pensam outros sites marxistas, aceito que possam dizer “soa um pouco a teoria da conspiração”, mas não é racismo, usas esse discurso para fugir á questão!
    Agora, suspeito apenas, que quem está a entrar não são estas pessoas pobres, mas uma ratline de terroristas do ISIS, pois a predominância são homens jovens, em idade de lutar, com atitude hostil a Assad, ao PKK, identificados pelos próprios refugiados como terroristas infiltrados na onda de refugiados, e suspeito que isto tenha algum objetivo oculto, é o que pensam resistir-info, Voltaire e outros. Os pobres desesperados, estão aí, é claro mas estão a ser levados por máfias, que lhes cobraram fortunas, para acabarem escravos ou vítimas de algo ainda mais sinistro, como o caso das crianças desaparecidas.
    Se chegamos ao ponto em que dizer isto é racismo, em que está convertido o marxismo?
    Não admiro que estejamos em queda!

    Chegamos ao ridículo de Merkel ser apoiada por quem, meses antes, só não a matava se não pudesse. Que continua a roubar a Grécia, a destruir a Europa, Líbia, Síria, a arruinar meio mundo, agora é uma santa porque apoia refugiados? De caminho é o quê, uma marxista? Não foi ela quem insinuou um discurso racista contra os povos do sul, que eram parasitas, que inclusive foi contra a entrada dos refugiados, até que em Setembro de 2015, dá um giro e se súbito é a Madre Teresa. Coincidindo com a entrada da Rússia no conflito, com o súbito alertar da lógica de refugiados, vendo-se não famílias pobres, mas homens jovens, com discurso á ISIS, vendo-se agora máfias criminosas que extorquem pobres com fortunas, para terem os filhos escravizados e roubados, acaso não posso suspeitar de algo estranho se passa?
    De caminho, Merkel pode matar toda a Europa, a Líbia, Síria, desde que apoie os refugiados atuais, é uma santa, ainda que ninguém se pergunte porque nunca o fez antes, ou porque se prepara para deportar milhões de imigrantes instalados na Alemanha á 40 anos. Algo soa a estranho, inúmeras vozes levantam-se neste sentido.


    Continua

    ResponderEliminar
  13. AnonimoTrotskista1 de abril de 2016, 13:00

    Continua

    Ninguém é racista, ninguém defendeu que se ataque estas pessoas, apenas revisão de políticas, erradas, a começar no próprio interesse dos próprios imigrantes. Acaso estamos a ajudá-los levando-os a endividar-se, para a morte certa, ao invés de irem para outros destinos em crescimento?
    Despeço-me com esta ultima nota. Pensei que tinha chegado a um site para debater o marxismo, e construir um outro mundo. Abalar o marasmo que paira num Portugal apodrecido pelo cadáver que é o PCP.
    Este site criticou Cunhal pelos métodos que usou no passado, para silenciar quem não gostava.
    Faz agora o mesmo, com a agravante que criticou Cunhal.
    Cunhal usou métodos iguais e afundou o PCP num folclore ideológico, onde se lançam chavões sem entender as questões chave. Este site é afinal outro PCP, mas com mais “finesse intelectual”, palavreado marxista, para me sugerir que um exército de procuração da NATO dentro da Europa (usando uma expressão do resistir.info) vai ajudar á Revolução. Sugerir que criar rede de imigração que alicie a deserção, e colapse a Síria é algo bom, é de bradar aos céus! Que encher a Europa dos terroristas que agora fogem da Síria, é algo bom, acaso não se pode discordar?
    Retrato do marxista atual: cita clichés, sem saber o que diz, tem muito palavreado, e não tem o mínimo senso comum. Há honrosas excepções, mas poucas.
    Despeço-me com isto, foi o meu último post neste site. Cesso a minha colaboração com este site, não alinho nestas posturas. Censura á vontade, que os outros podem não ler, mas tu leste, e que fique para a história este meu comentário!


    Postei isto em:

    https://corredorvermelho.wordpress.com/2016/03/29/40-anos-depois-do-golpe-do-general-videla-nao-perdoar-nem-dar-a-outra-face/

    Entretanto pode ter sido apagado

    ResponderEliminar