lunes, 16 de octubre de 2017

Industria papelera y “gasolina para el monte”: claves del fuego en Galicia


La expansión del eucalipto para su uso en la industria papelera, la falta de una política de prevención, la precarización de los dispositivos de lucha contra el fuego y la Ley de Montes son algunas de las claves para entender la situación que se vive hoy en Galicia.

Leer en el siguiente enlace:

https://elsaltodiario.com/incendios/papelera-ence-gasolina-monte-claves-fuego-galicia-eucalipto

---------

2 comentarios:

  1. Continua a barbárie contra os nossos irmãos em Odessa!!! Os antifascistas voltaram a ser presos, depois de uma libertação de farsa!!! DENÚNCIA!!!

    Retirado de: https://slavyangrad.es/2017/10/16/12677/#more-12677

    Outra putinice!!!
    Putin manda suspender toda a cooperação técnica e científica entre a Coreia e a Rússia!!!

    Retirado de: https://mundo.sputniknews.com/politica/201710161073213228-moscu-pyongyang-relaciones/

    ResponderEliminar
  2. Camaradas, creio ser de interesse acrescentar a este vosso post, que em Portugal se está a passar a mesma tragédia, quiçá ainda mais grave. Neste preciso momento, a região centro do país está acossada por fogos descontrolados, que mataram só nas últimas 48 horas mais de 35 pessoas e o número presume-se que irá aumentar!
    Em Pedrógão Grande, zona rural e envelhecida, morreram mais de 100 pessoas, com os números a serem ocultados, para evitar que o povo saiba da tragédia total!!
    Esta questão do eucalipto, dos lobbies madeireiros, começa agora a ser mais abertamente debatida em Portugal. Até então, tenta-se sempre apontar a causa a incendiários pirómanos, que seriam sociopatas, ocultando que a maioria seriam pagos para tal. Um exemplo. A minha mãe, que é comunista, escutou um dia num café, a conversa entre dois grandes madeireiros, sobre como ganhar dinheiro fácil. Um afirmou ter um conjunto de terras incultas e que montara sobre elas um grande seguro contra os danos. Pagou a delinquentes locais para que pegassem fogo às terras, para assim colectar o seguro. Disse isto a rir-se e o outro a rir-se também. O primeiro disse-lhe "é assim que ganhas muito dinheiro, extorquindo ao estado e aos seguros". As terras incultas, que deviam ser dadas a comunas de trabalhadores são deixadas na posse destas bestas, que destroem assim a riqueza que é de todos, já para não falar que os incêndios não se controlam, podendo facilmente atingir casas de pessoas idosas, famílias e animais, apanhados no meio do fogo!!
    Durante anos reinou um silêncio cúmplice com estes assassinos!!
    A posse da terra é a questão chave! Quantos fogos anuais havia numa URSS ou RDA, que tinham grandes extensões de floresta? Alguém imagina os trabalhadores, camponeses, o povo comum, que vive da terra, a destruir o seu sustento? Os ricos de merda, que têm vastas terras incultas, que usam para actividades criminosas como a caça, criação de touros para as corridas, férias de luxo na natureza, mas não para cultivar, produzir comida e bens úteis, é que são os parasitas, os pirómanos deste mundo.
    Ninguém nega que haja psicopatas e gente com distúrbios mentais, que pegue fogo à floresta por diversão e sede de mediatismo. Mas a tentativa asquerosa da burguesia, com a sua imprensa mass merdia, de nos impingir a teoria do "louco demente", visa desviar o foco dos grandes interesses que estão por detrás da tragédia: os grandes madeireiros; a indústria papeleira; o lobby agrícola das multinacionais capitalistas, que querem impedir a reforma agrária; a posse privada da terra, que é um absurdo. Mas alguém tem dúvidas que os lobbies madeireiros e do papel pegam fogo às florestas para ganhar fortunas em seguro, mas também para evitar a reforma agrária? De uma escória que neste momento está a comandar o genocídio dos índios no Brasil, para se apoderar da Amazónia, alguém duvida que pague a um "louco" para tal? Exemplo: sempre que se debate em Portugal a questão da reforma agrária, os mass merdia têm sempre um chorrillo de mentiras para serem contra. Que as terras lusas são pobres agrícolamente e nunca seriam rentáveis; que o interior rural português está despopulado e os poucos habitantes são pessoas de mais de 60 anos; que a ruralidade não é uma riqueza; etc.
    Tudo isto é uma tática para manter intacto o lobby madeireiro, que alega que "cria riqueza numa zona que não daria para mais nada". Uma tática para aterrorizar e levar a sair os poucos habitantes que aí vivem e abrir caminho à privatização total das terras para as grandes empresas. Aí, usariam as terras para a especulação imobiliária, criando moradias de luxo, resorts turísticos rurais para ricos, à conta da expulsão dos pobres locais; usar as terras para uma agricultura inútil para o povo, mas lucrativa para as multinacionais!!!

    Mas lentamente está a surgir a coragem de expôr este grande lobby!!!

    ResponderEliminar